A visão da Nova Medicina Germânica sobre doenças autoimunes

A visão da Nova Medicina Germânica sobre doenças autoimunes

Através desse artigo, vamos esclarecer a relação das doenças autoimunes sobre a visão da Nova Medicina Germânica.

Para a medicina tradicional, doenças autoimunes acontecem quando anticorpos atacam as células do próprio organismo, órgão e tecidos. Explicando que os fatores desencadeantes da doença autoimune são: os vírus, as toxinas, as bactérias, o stress e alguns fármacos que podem iniciar uma resposta autoimune em algumas pessoas que já possuem uma predisposição hereditária (genética) para desenvolver esse tipo de doença.

Onde glóbulos brancos como leucócitos e linfócitos suportam o trabalho microbiano. Governada por imagens de uma guerra biológica em fúria, dentro do organismo humano, a medicina tradicional interpreta um aumento dos glóbulos brancos ("células assassinas") como uma "resposta imune" destinada a "atacar" e "combater a infecção.

No entanto para a Nova Medicina Germânica não existe doença autoimune, na verdade ocorre simplesmente que o corpo responde perante os conflitos biológicos.

De acordo com a Quarta Lei Biológica, a construção acadêmica de um "sistema imunológico ", imaginado como um "sistema de defesa" contra micróbios e células cancerígenas, torna-se inteiramente sem sentido. Ou seja, o termo "infecção" em si torna-se obsoleto. A invenção de doenças autoimunes nas quais o sistema imunológico aparentemente ataca o próprio tecido do corpo, mostra como uma cultura científica pode ficar cega por suas próprias crenças.

Foi realizado um estudo com controle de caso, pela Associação Especificada de Gênero entre Traumas de Infância e Artrite Reumatoide na Alemanha. E através desse estudo foi descoberto que pacientes com artrite reumatoide relataram mais significativamente maus tratos infantis do que adultos da população geral, exceto por abuso sexual e negligência física. Esse padrão emergiu utilizando tanto o método de pontuação categórico quanto o dimensional do QTI e permaneceu significativo quando gênero e depressão atual foram considerados.

As descobertas estavam de acordo com os estudos anteriores, indicando que experiências traumáticas na infância afetam de forma negativa a saúde física na idade adulta. Isso parece ser particularmente verdadeiro para as condições envolvendo processos inflamatórios tais como asma, cardiovasculares e as doenças autoimunes.

Experiências de infância adversas estão relacionadas a muitas condições somáticas crônicas envolvendo processos inflamatórios, particularmente cardiovasculares e doenças autoimunes tais como esclerose múltipla e artrite reumatoide. Além disso, estresse traumático em geral e trauma de infância em particular estão independentemente associados com um estado pró-inflamatório na fase futura, que pode contribuir para patogênese de doenças autoimunes.

Um sistema de estresse desregulado em combinação com anormalidades na resposta anti-inflamatória sistêmica e a hiperatividade de fatores pró-inflamatórios locais podem ser os mecanismos de mediação através dos quais o trauma infantil aumenta o risco para artrite reumatoide em indivíduos geneticamente suscetíveis, especialmente em mulheres.

Concluindo o estudo, foi sugerido que o trauma infantil pode desempenhar um papel na patogênese complexa da artrite reumatoide, particularmente em mulheres. Embora os potenciais mecanismos constituindo a base da associação da artrite reumatoide e estresse traumático não terem sido testados adequadamente entre os pacientes com a doença, a pesquisa nessa área é propensa a contribuir e expandir a respeito da teoria das origens desenvolvimentistas da saúde e doença na fase adulta.

Esperamos que você tenha compreendido a relação das doenças autoimunes e a Nova Medicina Germânica.

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos e se ocorre alguma dúvida coloque nos comentários abaixo.

Referência: Journal of Psychosomatic Research - Um estudo de caso da Associação específica de gênero entre trauma infantil e Artrite Reumatóide.


Receba as novidades!